dúvidaas ?

domingo, 24 de abril de 2011

Esse meu escrever...

Acho que não escrevo para agradar a um certo público, nem é meu sonho ser A escritora, nem tenho uma lista com coisas que devo escrever, não tenho roteiro, nem prazo, escrevo sobre o que se passa na minha mente, escrevo para me sentir melhor, escrevo o que vem da minha alma, tudo o que sou, tudo o que sinto, é o que você lê. Não espero elogios, nem me abalo com críticas destrutivas, a cada tecla que eu aperto, surje uma nova ideia, uma nova opnião, um novo pensamento e uma história mais emocionante que a outra.
Ao escrever, permito que vocês leitores, vejam uma parte de mim, as vezes me mostro completamente transparente nos textos, permito que vocês possam ver dentro do meu íntimo, e isso não é todo mundo que faz, escrever textos, foi o meio mais fácil que encontrei de pôr pra fora toda essa confusão de sentimentos dentro de mim, foi a forma que vi de ter uma voz, um talento que nem eu sabia que tinha.
Não me importo se meu texto ficou bonito ou não, se você vai rir, se vai chorar, ou se simplesmente não vai ler, me importo em apenas fazer transparecer o que estou sentindo, escrevo com a alma, com sentimento, me deixo levar por cada parágrafo criado, por cada palavra e viajo em meus pensamentos enquanto escrevo.
As vezes fico horas em frente ao computador pensando, tentando descobrir o que estou sentindo, tentando traduzir a linguagem da minha mente, tentando passar para vocês, oq ue estou sentindo na esperança de que alguns de vocês se identifiquem com a situação escrita, não posso dizer que escrevo sobre romance, nem dizer que escrevo sobre um determinado tipo de assunto, pra um determinado tipo de público, escrevo sobre sentimentos, coisas que acontecem no meu e no seu dia-a-dia, situações simples, mas que nos deixam cada vez mais confusos, e no meio de toda essa confusão me vejo perdida, sempre fui tão controladora, tão certinha, que me vejo sem ação quando navego em meus pensamentos.
Enfim, o meu escrever é diferente de muitos que existem por aí, escrevo com o coração, sobre cabeças confusas, corações destroçados, e almas perdidas.
Escrever é muito mais do que ter um papel e uma caneta em mãos, é ter uma ideia na cabeça e a paixão no coração!

quinta-feira, 21 de abril de 2011

PS.: Te Amo

Enquanto dirijo meu carro pela cidade congestionada, penso em como fui parar ali, me lembro de todo começou, e de como seus olhos se apagaram para mim, enquanto o sinal se fecha, me olho no espelho, e novamente me pergunto por que não consigo tirar de minha mente, seus olhos, enquanto enrolo meus cabelos de um jeito qualquer, é como se viesse aos meus ouvidos a sua voz, me dizendo suavemente que me ama. Como pude perder-te? O que fiz de errado para que você decidisse partir assim, sem nem se despedir?
Eram tantas perguntas que passaram por minha cabeça, tantos sentimentos, sentimentos que até eu desconhecia, pensava em como você sempre estava de bom humor, enquanto as luzes da cidade ultrapassavam meu rosto já cansado, lembrava de quando você chegava do trabalho e jogava sua jaqueta favorita em cima da cama, e eu reclamava de sua bagunça, lembrei de como você adorava me deixar desconcertada, e de como você cantava alto no chuveiro só pra me fazer rir.
Me lembro de como me senti quando percebi que você era a pessoa certa pra mim, me lembro de quando dançou pra mim aquela música que só você sabe cantar muito bem, enquanto me lembrava de tudo isso, dirigia sem parar o meu carro, nosso carro, então me lembrei de quantas viagens nós já fizemos naquele carro, de como você não me deixava dormir no volante e passava a noite cantando e conversando besteiras comigo, e de quando você me admirou tanto no banco do carona que quase bate o carro, me pus a chorar, e a rir. Senti a brisa em meu rosto molhado de lágrimas, e me lembrei de como você gostava do vento no rosto, do sol na pele, e de chuva, me lembrei do nosso segundo encontro, onde nos beijamos pela primeira vez na chuva, lembrei de quando você ficou doente, e de como você reclamava que eu não sabia cozinhar, só pra me irritar, me lembro de quando eu me atrasava pra o jantar, e quando chegava em casa, era você quem estava de avental sujo e pondo a mesa, me lembrei de tudo o que passei com você, e chorei mais por sentir falta do que passamos, e por pensar que nunca mais poderei senti-lo outra vez, logo me lembrei de como você ficava feliz quando me via sorrir, e que sempre me dizia que sofreria mais se me visse triste. Nesse momento que soube, que cada sorriso que eu desce, a cada felicidade que eu sentisse, seria por você.

sexta-feira, 15 de abril de 2011

F. A.

Quando olho em seus olhos, é como se um novo mundo se abrisse em minha frente, quando vejo teu sorriso bobo em me ver, meu dia se enche de cor, quando te sinto junto a mim, me sinto viva, renovada. Quando conversamos sobre coisas engraçadas por horas a fio, me sinto bem, e quando ouço sair de seus lábios carnudos, com tua voz grave que me ama, sinto que a felicidade paira sobre mim novamente.
Enquanto caminho sobre a areia da praia, me lembro de todas as palavras que me disse, me lembro das mensagens que me mandou, da forma como me olhou na noite anterior, e me sinto feliz, num segundo me transporto pra perto de você.
E quando me sinto sem chão, me lembro de você me dizendo como sou linda e o quanto me ama, e sinto suas mãos passeando por meus cabelos, vejo seu sorriso de quando está com vergonha, fecho os olhos e a sua imagem me vêm na mente, os reflexos do sol sob o seu rosto, você lendo aquele livro favorito, enquanto eu tento lhe tirar a concentração.
Passo o dia inteiro esperando a hora de te ver, te sentir, te amar, e quando a noite cai é só em você que eu penso.
O que sinto por você é divino ....

Mudanças ²

Quanto tempo se passou desde a última vez que nos vimos, como mudou o seu cabelo, seus olhos estão brilhando mais, seu sorriso, embora sempre me surpreenda, continua o mesmo, sua voz está mais suave, e mais doce à os meus ouvidos, sua pele continua macia, e seu jeito quieto e tímido continua lá, intacto. Na verdade não mudou muito desde a última vez que nos vimos, acho que quem mudou fui eu. Acho que na esperança de esquecê-lo tentei mudar-me, mudar o meu jeito de falar, meu jeito de pensar, meu jeito de amar. Minhas atitudes, e o meu andar, quem sabe mudou também o que havia no meu olhar... Enfim, mudei em tantos aspectos, e nem assim você conseguiu me enxergar, mais quem sabe um dia você irá me amar?! Ainda que tudo em mim mude, ainda que mil anos se passem e eu envelheça, meu amor por você nunca mudará. 

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Amantes do amor .

Hoje já não sei o que são cores, não sei o que é um jardim vivo e bonito, não vejo um céu azul a muito tempo, nem sinto o vento em minha pele, não me emociono mais com o brilhar da lua, nem com uma música romântica, já não sinto meu coração bater forte como ele batia antes.
Já não tenho frases de amor a fazer, nem vontade de escrever, não tenho vontade de chorar, nem de sorrir, não tenho vontade de te ver, nem de viver, só tenho vontade de morrer.
Enquanto tudo passa lentamente por entre meus dedos, sinto-me dormente, e quando olho para trás e vejo tudo o que já passei, não acredito como pude ser feliz por tanto tempo, amando sozinha, amando o amor, como pude amanhecer todos os dias e sentir o sol em mim brilhar, se não o tinha para me abraçar, e me dar um beijo de bom dia.
Me vejo surpresa quando vejo o quão romântica eu sou, quantos conselhos, quantas frases, e quantos textos saíram de mim, uma eterna apaixonada, mas apaixonada por quem? por você? por ele? por aquele?, ou quem sabe apaixonada pelo amor, como eu existem milhões, milhões de apaixonados por sua própria paixão, que gostam da sensação de estar apaixonado. 
Só precisamos todos nós nos apaixonarmos novamente, esquecer o antigo amor, e quem sabe nos apaixonarmos outra vez pela paixão, pelo amor, afinal de contas, somos amantes do amor.

sábado, 9 de abril de 2011

Sempre é tarde demais quando se quer amar.

Ele a ama;
Ela já não o ama;
Ele liga para ela;
Ela não atende as ligações dele;
Ele lhe manda flores;
Ela as joga no lixo;
Ele sofre e chora por ela;
Ela se zomba da cara dele, pois o acha muito idiota;
Ele escreve para ela;
Ela não lê e queimas suas cartas de amor;
Ele a ama com toda sua alma;
Ela o acha ridículo;
Ele morreria por ela;
Ela não sentiria a falta dele;
Ele morre.
Ela chora;
Ela sofre;
Ela percebe que o amava;
Ela percebe que é tarde demais para amá-lo;
Ela o ama com toda sua força;
Ela se mata;
Eles ficam juntos, mortos, apaixonados e mortos.

" Quem não morre por seu amor, dele não merece viver! " [Tristão e Izolda ] 

quinta-feira, 7 de abril de 2011

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Depoimento de um viciado . [part3]

Me vendo sem ter o que fazer, preso naquela caixa de fósforo, comecei a escrever, escrevi tudo sobre minha vida, como era antes de tudo, como eu adorava fazer compras com minha mãe, ajuda-la em casa, como era bom “cabular” aula para fumar um baseado nos fundos da escola com o Gustavo, escrevi sobre o Gustavo, sobre todas as pessoas que passaram por minha vida, sobre o Reverendo, e com o tempo, fui me recuperando, Reverendo então me deixou sair de casa, enquanto caminhava pelas ruas de Nova York, encontrei com uma antiga companheira, Roxy, uma garota de traços angelicais, que sempre estava no galpão abandonado junto com meu bando, se drogando junto com aqueles bêbados, mas Roxy não parecia a mesma naquela noite, parecia estar mais bonita, radiante, parecia estar sóbria, ela estava sóbria! Eu já recuperado, mais no fundo de minha alma querendo ainda sentir o êxtase. Roxy me acompanhou na caminhada, conversamos sobre tudo, ela me disse como conseguiu sair daquela vida, eu disse que estava me recuperando, disse a ela sobre a morte de Gustavo, houve algo de especial naquela noite, Roxy me deu o número do telefone dela, pediu pra que eu ligasse caso tivesse uma recaída, disse que ela iria me ajudar, assim como ajudaram ela.
Voltei pra casa naquele dia, feliz, não entendia porque tamanha felicidade, conversando com o Reverendo, descobri que estava sentindo algo especial por Roxy, decidi ligar para ela.
-“Alô?”
-“Roxy... é o Rob.”
-“Oi Rob, queria mesmo falar com você, tenho algo que acho que vai te ajudar a se recuperar mais rápido!” - Disse ela animada.
-“Está certo, me encontre no café às 07:00.”
Encontramos-nos no café do Dickerson, naquela manhã de Domingo às 7:00 horas. Roxy parecia tão serena, calma e estava tão linda, não era normal sentir o que estava sentindo, minhas mãos soavam, meu estômago esfriava, e minha voz não saía.
Roxy me disse que o teatro “Hidden” estava abrindo o palco para anônimos, e ela estava fazendo parte de um grupo de ex-viciados, que subiam no palco e contavam suas histórias, e ela me disse que isso ajuda bastante, pois você ganha apoio de várias pessoas que se sensibilizam com seu depoimento. Eu gostei da ideia, mais logo depois me veio um medo, pois me lembrei da morte da senhora, da morte de Gustavo, e fiquei com medo de revelar algo tão sério assim. Mas mesmo assim, resolvi tentar, Roxy me deu todo o apoio.
Na noite de Sábado, dia 15 de Novembro de 1992, eu fui ao Teatro “Hidden” pela primeira vez, revelar meus pecados à o público ali presente. Reverendo na plateia, se emocionava vendo minha melhora, Roxy e o resto do público estavam paralisados com minhas história, você também deve estar neste momento... Enfim, sempre que podia ia no Teatro pra contar minhas história, e ao decorrer do tempo, a plateia se emocionava mais, e o número de pessoas aumentava. Reverendo faleceu de ataque cardíaco, e deixou para mim e Roxy, sua casa, suas economias, e tudo o que lhe pertencia, descobri a história de Reverendo, ele era Padre em uma igrejinha de um pequeno bairro, e devido à o aumento de adolescentes drogados, e perdidos, Reverendo largou a batina, e começou a resgatar garotos e garotas, nas ruas de Nova York, ele os levava para casa, lhes dava comida, teto, e os tratava, Reverendo já tirou mais de 5 mil adolescentes do mundo das drogas. Reverendo era Robbie David Williams, faleceu aos 85 anos, e foi meu herói, e de muitos outros adolescentes. Bom meu caro... Hoje eu sou escritor, palestrante, e Roxy é mãe de Jessie, nossa linda filha de 5 meses, Roxy é atriz, e administra o  Teatro “Hidden”, que foi comprado com o dinheiro que Reverendo deixou para mim. 
The End.

Depoimento de um viciado [part2]

Vi Tiago usando uma seringa no braço, logo depois eu vi ele em estado de êxtase, me deu vontade de experimentar, “deve ser legal”, pensei. Pensamento idiota!
Resolvi experimentar o tal êxtase, Tiago me ensinou como se fazia, e de uma hora pra outra tudo foi ficando colorido, risos, músicas, cenas, tudo o que era bom passou pela minha cabeça naquele momento, me deu uma sensação maravilhosa, algo que me consumia de forma que não conseguia lutar contra aquela sensação.
Insisti para que Gustavo experimentasse também, Gustavo relutou, mas experimentou.
Semanas depois, continuamos nessa mesma rotina, no início, era coisa de fim de semana, depois, era todos os dias da semana, foi quando começou a ser toda hora...
Largamos a escola, nos juntamos com outros moleques de rua, e começamos a roubar, roubávamos velhinhas, velhinhas cara! Em uma noite de sexta-feira, partimos para mais um roubo como de costume, neste dia, não havia quase ninguém nas ruas.
Uma senhora vinha caminhando segurando algo que parecia ser uma pequena bolsa, uma vítima para eles, uma senhora indefesa para mim. Saint, o mais frio, e mais viciado de todos nós, foi quem atacou essa senhora, ela tentou resistir, e Saint a matou.
Depois daquela noite, minha vida nunca mais foi a mesma, minha cabeça repetia sem parar aquela cena, e minha consciência me dizia “você estava lá, e não fez nada, seu desgraçado”.
Sempre me meti em confusões, em uma fuga, Gustavo levou um tiro na cabeça, e eu não pude fazer nada para salvá-lo pois também estava fugindo, queria muito salvá-lo mais era a vida dele, ou a minha. Todos os dias de minha vida, eu me lembro de Gustavo, sempre dizendo para não irmos, para não roubarmos, e ele sempre ia por minha causa, nunca entendi por que ele sempre estava comigo, hoje eu imagino por que, ele sempre esteve ali para me proteger, pra caso acontecesse algo comigo, ele estivesse ali para me levar de volta para o meu mundo.
Depois da morte de Gustavo, fiquei desnorteado, sem saber por onde andar, em um dos becos por onde andei, encontrei o Reverendo, nunca entendi porque o chamavam assim, mais nunca gostei de chama-lo de Reverendo, então o apelidei de Rev.
Rev. Me acolheu, me encontrou jogado em um canto do galpão abandonado onde comecei a me drogar, Ver. Me encontrou em péssimo estado, quase congelado, coberto de neve pois haviam buracos por todo o galpão, me levou pra casa, quando acordei, todo ensanguentado, com ferimentos por todo o rosto, e com ressaca, Rev. Insistiu para que eu ficasse morando com ele, eu relutei, Rev. Me trancava em casa à noite, me impedia de ir encontrar com meu bando, de fazer assaltos, de me drogar, eu ficava louco, subia pelas paredes, doía demais, a falta daquela droga circulando por minhas veias, me doía como se estivesse levando facadas por todo o corpo. Era uma cena deprimente, eu me debatendo, quebrando todos os móveis da casa, e Rev. Pondo cadeados enormes nas portas, e me segurando com força para me impedir de fazer coisa pior. 

Depoimento de um viciado . [part1]

Tudo começou quando mudei de escola, novos amigos, novos professores, novo ambiente, tudo novo. Meu amigo o Gustavo, foi o único que ficou na mesma escola que a minha, Gustavo era sempre muito reservado, era um rapaz de planos, quero dizer, ele sabia o que queria para o seu futuro, sempre falava em casa própria, filhos, esposa, bom emprego... Essas coisas, que para mim eram caretas. Gustavo era aquele tipo e pessoa que desde que pirralho já sabemos que vai se dar bem no futuro, já eu... um João-ninguém, que não queria nada com a vida, adorava “cabular” as aulas pra fumar um baseado atrás da escola, Gustavo ia comigo, até puxava um, mais sempre cortava meu barato dizendo que estava na hora de voltar pra a sala.
Quando mudamos pra essa escola nova, Gustavo me fez prometer que eu iria ser responsável nos estudos, que não iria mais “cabular” as aulas pra fumar baseado, e que eu me tornaria um aluno exemplar. Humpf! BOBAGEM! Eu sabia que nunca iria conseguir cumprir aquelas promessas, sabia que eu seria como sempre fui, mais de certa forma, 1% de esperança habitava meu peito. Assim que chegamos na escola nova, conhecemos o Tiago, o cara mais popular da classe, ou melhor, da escola. Era o mais velho de nossa classe, aos Dezenove anos ele ainda cursava o 1º ano, os professores já não sabiam o que faziam com ele, tinha uma fama nada respeitosa, mais nós um tanto inocentes, e querendo fazer amizade na escola, não ligamos para isso.
Na terceira semana de aula, muito bem enturmados com o resto da turma, nós já andávamos com a galera, em uma noite de sábado, o Tiago nos convidou para ir em um bar, o “Bar do Joe” onde só iam os melhores da escola (segundo ele), o Gustavo ficou duvidou um pouco, mais eu consegui convencê-lo a ir, chegando neste bar, só haviam adultos, entre esses adultos, três de nossos professores, Gustavo ficou irado e nervoso, é claro. Tiago nos desafiou a tomar uma garrafa de vodca em um gole só, eu como queria parecer corajoso ou sei lá o que, topei na hora, e tomei em um gole só a garrafa, depois de feito, tive uma sensação estranha, de repente tudo começou a girar, o rosto de Gustavo começou a ficar desfigurado, via todos rindo de mim, Gustavo balançava a cabeça em sinal negativo, e eu não entendi mais nada.
Por volta das 3 da madrugada, saímos do bar onde estávamos, e fomos andar por aí com o Tiago e mais três de seu bando, Gustavo estava sóbrio, eu, nem tanto, trôpego, eu era empurrado de um lado a outro por Tiago e um de seus “capangas”, eu sentia que algo estava errado, sentia que não deveria ter ido à aquele lugar, Gustavo gritava pelas ruas, pedindo ao Tiago que parasse de brincar com meu corpo incontrolável, e fedorento.
Tiago disse à Gustavo –“Vamos, vou te levar em um lugar maneiro, pra você calar essa boca e curtir com agente. Pirralho chato”- Disse Tiago em tom brincalhão, e com a voz pesada. Chegamos nesse “tal lugar”, era uma espécie de galpão abandonado, assim que entramos, Gustavo percebeu que não era Tão abandonado assim, podíamos ver várias pessoas, jogadas ao relento, todas tremendo de frio, com cor morta, alguns até bem vivos, todos drogados e embriagados, Gustavo logo sentiu um arrepio na espinha e sentiu que não deveria estar naquele lugar, com aquelas pessoas, e que deveria me tirar daquele lugar o quanto antes.
Tiago jogou meu corpo num sofá velho e empoeirado, me deu tapas no rosto para que eu “acordasse”, nesta hora vi minha visão embaçada, tudo girando, e rostos, vários rostos da mesma pessoa, mais não consegui dizer quem eram. 

quarta-feira, 30 de março de 2011

Sem reação .

Sem chão, sem reação, sem saber o que fazer, assim me vejo diante desta situação, dói saber que nunca vou poder te ter da forma como queria te ter, me dói saber que não sente nada por mim.
Está na minha memória os momentos em que estava contigo, a forma como se movia, o olhar, os sorrisos, tudo. E quanto mais tento esquecer, mais me lembro, e não sei como fazê-lo.
Me dói saber que o olhar não será mais o mesmo, e que nada será como antes, não me arrependo, só lamento por não ser como eu queria.
Como posso seguir em frente? esquecer rápido, e fingir que o que aconteceu não deixou marcas? , como queria poder fazer como sempre, esquecer e nunca mais lembrar, mas é diferente, é forte, algo que toma minhas forças, algo que me deixa fraca, que me faz querer morrer.
Agora sinto como se tudo estivesse escurecido, como se meu coração estivesse em pedra, me sinto uma morta viva.

terça-feira, 29 de março de 2011

Manhã de Domingo

Naquela manhã de domingo acordei bem cedo, saí de casa sem satisfações, sem café, e sem ter aonde ir. Naquela manhã, só queria andar até as solas dos meus sapatos ficarem precárias, só queria pôr o fone de ouvido no último volume e seguir meu caminho sem ter hora pra voltar, sem ter que falar com ninguém. 
Na manhã de domingo eu admirei o sol, meio que escondido, olhei por um bom tempo tentando encontrar um brilho especial, mas não consegui. Sentia um vento tão frio nas minhas costelas, "devia ter me agasalhado hoje", pensei. 
Aquele domingo estava tão frio, tão escuro, e tão nublado, enquanto andava e olhava para os lugares, cantos, esquinas, árvores, olhos, chão pensava em algo tão forte que tomava conta dos lugares por onde passava, tão lindo que meus olhos brilhavam, eu pensava sem parar em uma pessoa, alguém de quem quase não falava com ninguém, alguém que já predominava em meus pensamentos à dias, pensava nele, pensava naqueles olhos expressivos, no sorriso engraçado, e nos gestos, lembrava de cada movimento que já tinha o visto fazer.
Não conseguia pensar em mais nada, mesmo com todas aquelas informações à minha volta, com todas aquelas pessoas que passavam por mim, só pensava nele, e a música tomava conta da minha mente, se tornando uma trilha sonora da vida, e o vento que insistia em soprar forte, o sol que insistia em se esconder, e as árvores que dançavam e se entrelaçavam no vento de uma forma linda e inexplicável.
Continuo andando sem parar, e de repente, tenho a impressão de ver um rosto conhecido, alguém que eu queria muito ver, me viro rapidamente para verificar, e vejo que não era ele, "nossa, devo estar ficando louca" pensei alto. 
Meus cabelos balançam com o vento, tudo parecia ser místico, ser poético naquela manhã de domingo, os namorados pareciam mais apaixonados, todos pareciam amar o que estavam fazendo.
E me vi no meio de todo aquela poesia de vida, no meio de toda aquela beleza natural, e me lembro novamente dele, é como se me dominasse, como se fizesse parte de mim, doía como uma culpa que carrego, mais me satisfazia, me alimentava de tal forma que não consigo explicar, como se fosse minha força, meu alimento, minha razão.
E naquele dia de Domingo, andei milhas e milhas, procurando alguém que sabia que nunca iria encontrar, explorei cada rosto de cada pessoa que por mim passou, tentando encontrar ele, o dia foi escurecendo, gotas geladas começaram a cair das nuvens cinzas de tanto chorar, então todos que estavam à minha volta começaram a correr, na tentativa de não se molhar, mas por algum motivo eu permaneci andando, seguindo meu caminho, e confesso que me senti viva debaixo daquela chuva, absorvendo cada gota de água gelada que caía sobre meu corpo, chegou a ser divino.
Naquele dia de domingo fui mais feliz, pois pensei só nele, admirei as criações daquele, que me fez sentir viva novamente, e pude que refletir e sentir Deus passeando por meus cabelos, eu pude vê-lo dançando com as árvores, e incomodando as pessoas ao redor, eu vi Deus. 
"não é preciso morrer pra ver Deus . " 

segunda-feira, 28 de março de 2011

MUITOBOM

Não existe amor em SP
Um labirinto mistico, onde os grafites gritam
Não dá pra descrever, numa linda frase
Que um postal tão doce, cuida do com doce
São Paulo é um buque, buque são flores mortas
Num lindo arranjo, arranjo lindo feito pra você
Não existe amor em SP
Os bares estão cheios de almas tão vazias
A ganancia vibra, a vaidade excita
Devolva minha vida e morra afogada em seu próprio mar de fél
Aqui ninguém vai pro céu
Não precisa morrer pra ver Deus
Não precisa sofrer pra saber o que é melhor pra você
Encontro duas nuvens em casa escombro em cada esquina
Me dê um gole de vida
Não precisa morrer pra ver Deus . 
Criolo Doido - não existe amor em SP 

domingo, 27 de março de 2011

music,music ..

Queria que você soubesse que adoro o jeito que você sorri
Quero te abraçar bem forte e levar sua dor pra bem longe
Eu guardo a sua fotografia, e eu sei que ela me faz bem
Quero te abraçar bem forte e roubar sua dor
Porque eu fico em pedaços quando estou solitário
E eu não me sinto bem quando você vai embora
Você se foi pra longe... Você não me sente aqui, não mais...

Broken _ Amy Lee

sábado, 26 de março de 2011

______________

Eu sei meu bem
O que você faz pra mim, é só pro bem. Sua face não me nega nada Seus

olhos vêem até minha alma. O suspense quando você chega
Meus dentes rangem com toda sua beleza.
O meu amor não tem validade Ele é forte e firme,

e dura uma eternidade.
Nossos corpos se entrelaçam
Como o entrelaço dos dedos
Sua boca fumegante
Me deixa sem respirar por uns instantes.

O seu cheiro delicado
Quando você anda de lado e lado.
O seu cheiro fica grudado
Dentro dos meus pulmões

Deixa eu lhe abraçar bem forte
Ai você verá como sou forte Não durmo, não sumo,

disfarço que fumo.
Se você me contar uma historia, acho que durmo.

Separe as roupas que eu comprei
Anote os recados que eu te mandei
Compare as ideias, planeje viagens.

Eu vou sumir do mundo, com você na bagagem.
Vanessa da Mata / Meu bem.

sexta-feira, 25 de março de 2011

...

A imagem ainda está viva em minha mente, como uma foto que não consigo rasgar, perguntas me perturbam o tempo todo, vejo minha visão se turvar, sinto uma angústia inexplicável, não consigo ficar um segundo só sem pensar nele, minhas mãos estão geladas, meus olhos cansados de jorrar água, já não sorriem mais, o que era interno, se tornou externo, o que era pra ser esquecido, se tornou impossível de esquecer.

quarta-feira, 23 de março de 2011

postagem rápida .

Estou sem tempo pra postar agora. :S  
essa é a música da semana *-*

segunda-feira, 21 de março de 2011

_






#Frase do dia; Nem sempre o que está perto é o melhor.
#Humor; Decepção 


sábado, 19 de março de 2011

_bom dia!

#músicadodia; Vanessa da Mata _ amado
#frase; Você me confunde, mas não me intimida :b
#humor; é... :T

sexta-feira, 18 de março de 2011

Acordei cantando essa música hoje...
Frase do dia; se quer que dê certo, faça você mesmo :)


#borrão.

#borrão1
Me perdi na imensidão do seu mar, mergulhei na esperança de ter esperança, quanto mais meu corpo afundava, mais eu me perdia  e me perguntava o porque de eu ter pulado no teu mar.
Quanto mais eu me perdia em tua imensidão, mais eu percebia que quanto mais tentamos esquecer, mais nos lembramos, percebi que o teu mar era tua alegria, e que o meu mar, eram minhas lágrimas.


#borrão 2
O amor me comeu, comeu meu juízo, meu pensamento, minhas idéias, meu coração...
Comeu meus órgãos, meus sentimentos, me comeu, e mastigou-me de tal forma que não consigo de reconstruir,o amor me abocanhou com sua enorme boca de matar.


#borrão 3
Sinto falta de sua doce voz, sinto tanta saudade de viver contigo, que saudades do meu amor, do meu amigo.
Como é bom estar contigo, meu amigo, eu vou voltar pra os braços do meu amor, quero ficar com você, onde é o meu lugar, quero ficar nos teus braços meu amor, e repousar até a noite cair. 

quinta-feira, 17 de março de 2011

You live in.

Não me lembro bem como começou essa coisa toda, não me lembro o que me fez alimentar esse sentimento, também não me lembro da última vez em que me vi. Desde o 'dia tal', eu tenho vivido em você, vendo por seus olhos, sentindo por sua pele, tenho vivido em você durante todo esse tempo, e não nego que tenho me sentido a pessoa mais feliz do mundo. Eu nunca imaginei que pudesse amar tanto uma pessoa só.

No hope.



Confesso que ainda o amo, confesso que minhas forças se esgotam quando falo com ele, e quando o vejo, é como se minhas se esvaíssem, fico completamente vulnerável quando estou ao lado dele. Mas ele é tolo demais, e não consegue ver o mundo na luz dos meus olhos, quero que ele saiba, que eu o amo muito, embora não saiba como viver sem ele, eu juro que vou tentar esquecê-lo. Não vou correr por quem não correria por mim.


quarta-feira, 16 de março de 2011

Vó Maria.

Minha avó, tinha os cabelos da cor das nuvens, os olhos da cor do céu, e um coração maior do que o mundo.
Me lembro que quando era menor, ela me cobria à noite, me lembro de como adorava comer uma galinha cozida que só ela sabia fazer, não conseguia passar um dia de chuva sem comer aquele feijão quentinho com arroz, lembro de quando eu saía na rua pra brincar com meus amigos debaixo de chuva, e ela ficava a me admirar pela janela, é como se ela ficasse ali para garantir que eu estava bem, e quando eu voltava para casa, ela tratava de me enrolar com uma toalha seca, e dizia "tira essa roupa, senão vai pegar gripe minha filha", lembro de como ela pronunciava meu nome-Jôce- lembro também das vezes em que ela dormia pela manhã, e acordava de tarde e me perguntava se eu não ia ter aula, lembro de ficar na beira da panela enquanto ela cozinhava, tentando descobrir qual era a "fórmula secreta" da comida dela, lembro de que quando chegava da escola eu corria pra assistir TV, e deixava meus sapatos sujos de terra molhada na porta, e me lembro que ela sempre colocava meus sapatos no lugar e perguntava se eu não queria almoçar, e sempre desfiava a galinha pra mim.
Lembro de que quando caía a noite, ela pegava seu terço que cheira a talco de bebê-e até hoje cheira-e toda noite rezava com seu terço na mão, e assistindo o Jornal das 8hrs, mesmo surda, ela gostava de assistir o jornal, e sempre chamava o jornalista de "moço bonito", lembro-me de ouvir as mesmas histórias um milhão de vezes, lembro que ela sempre falava do irmão-Caetano- e lembro que as vezes ela chorava muito com saudade de seus pais, lembro que eu gostava de brincar com suas banhas que ficavam na parte de baixo do braço, e lembro de como ela ria sem parar quando eu fazia isso, e dizia "ah, minha filha, um dia tu também vai ter isso", e eu entortava a cabeça, confusa por não conseguir me imaginar velhinha desse jeito, me lembro dela sempre arrumando a casa do jeito que só ela sabia arrumar, e sempre reclamava por isso, mais não conseguia não fazer nada o dia inteiro.
Minha vó foi uma guerreira, teve câncer no estômago, viveu sua velhice sem estômago, ficou surda muito cedo, criou minha mãe como se fosse filha, teve 5 filhos: Safira, Pérola (falecida), Esmeralda, Ocemir e Océlio.
Suportou a morte de sua filha, e sempre me dizia que não devemos chorar em público, neste dia, eu a vi chorando. Sempre feliz e com um sorriso no rosto, adorava tomar seu café todos os dias, lembro que comia carne com colher e faca, e eu sempre perguntava à minha mãe porque ela comia assim.
No dia 18 de Janeiro de 2009, ela faleceu, na UTI do hospital "Centro Médico", devido a uma queda, onde ela quebrou a bacia, e em cerca de duas semanas, seu quadro clínico piorou, e a levou para a UTI, 5 minutos antes do falecimento, nós nos 'despedimos' dela, fizemos uma oração em volta do seu leito, e com os olhares penosos dos médicos daquele local, nós deixamos a sala de UTI, quando saímos, o médico nos disse para esperarmos...
2 minutos depois, ela faleceu, e foi uma correria, todos chorando desesperadamente, e eu ali, imóvel, sem esboçar reação alguma, sem saber o que fazer e pra onde correr, me espantei por não haver nada em minha cabeça, nem uma recordação, nem um pensamento...nada!
Me chamavam de fria por não conseguir chorar, e por pensar em outras coisas, mais hoje percebo que eu só queria fugir daquilo tudo, e me transportar para aquele dia em que no leito do apartamento, ela me agarrou pelo braço, e me olhou nos olhos, puxou meu rosto e me deu um beijo, só queria fugir daquilo tudo e ir para um lugar aonde eu ainda a teria comigo.
Minha vó, se chamava Maria Arcângela Furtado, mais conhecida como 'vóvó' . Eu sempre irei me lembrar de você, por mais que não hajam lágrimas em meus olhos, sempre haverá saudade em meu coração.

Criança tola.

Você parece tão segura de sí, com seu sorriso encantador, rodeada de amigos, mais por dentro sei que está com medo, por que você se esconde?
Por mais forte que pareça, sei que você é frágil, sei que você ainda é aquela criança dependente, que tem medo do escuro, que teme a solidão, é aquela mesma criança com medos, sonhos, e que as vezes tem vontade de um colo de mãe.
Vejo quão esperta você é, mais por que ainda vejo tanto medo em seus olhos?, quando você vai ver que ainda é cedo, é cedo para tanto medo, é cedo para preocupações.
Por maior que seja sua dor, um amor espera por você, não seja assim tão fria criança tola, sei que o que você mais quer é um abraço, mais saiba que você ainda tem muito o que viver, ah, criança pequena, saiba que um amor espera por você, vá devagar para não se machucar, sei que ainda se lembra de quando te disseram "eu estou aqui, calma", criança louca, saiba que eu estou aqui, e que nunca a abandonarei, saiba que mesmo que teus amigos te abandonem eu nunca irei abandoná-la, e saiba querida, que um amor espera por você. 


Dedic too; L.

terça-feira, 15 de março de 2011

Sol,mar, vento, lua, você!

Com os pés na areia, olhos no sol, e cabeça nas nuvens.
Admiro o pôr-do-sol e me lembro de como é bom ter você pra me ouvir todos os dias, lembro-me de como é bom lembrar de você, sinto as ondas do mar nas minhas pernas, tentando me levar, mais eu insisto em ali ficar, para mais uma vez o sol admirar, me lembro de como seu abraço me aquece e me faz pensar que a vida é tão fácil, parece que ainda sinto seus cabelos macios a deslizar por minhas mãos, ainda ouço seu sussurro, mesmo que muito longe você esteja, ainda posso sentir teu perfume.
Mexo meus dedos na areia ainda pensando em como a vida pode ser maravilhosa com você por perto, meus cabelos se espalham por toda a praia, como se fossem o próprio vento, me lembro de como é bom poder pisar na areia, olho para o céu e agradeço à Deus por ter a quem amar, ouço o barulho das ondas se quebrando, são como notas musicais para mim.
Olho para o mar novamente e penso: "Ah, ele não mudou nada..."
E ali fico até o nascer da lua, sinto o cheiro do sal, o vento frio me acolhe, a lua reflete no mar que insiste em se quebrar em milhões de ondas, e aprecio sem moderação aquele momento único.

Pain.

Você diz que não sente mais nada, mais não é isso que me dizem seus olhos.
Dor, é isso o que você sente?
Dor por não poder estar ao meu lado, dor por não existir mais o "nós", você diz que não é bom o bastante para mim, mais só eu sei o que é bom pra mim, assim como só eu sei o que se passa em sua mente, e sei muito bem que ainda me quer.
Só não sei por que nega que me ama.
Dor, é o que eu vou sentir, se me deixar de vez, pois sei como dói quando somos esquecidos, eu sei que você não vive sem mim, eu sei que não vivo sem você, e nós sabemos que não podemos negar que estamos sentindo dor, nossos corações está se destruindo a cada vez que diz não.
Eu sei que você me ama, e sempre irá me amar, amor verdadeiro nunca se acaba.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Imagem da semana

A imagem da semana é simples, porém significa confusão, complicação, e muitas interrogações.
Se você se sente como o cachorro da foto, dá um joínha :D

sexta-feira, 11 de março de 2011

Fotos, lembranças, saudade & São Paulo ...

Torre Santander (:
Foram o que restaram, quando lembro dos lugares por onde passei, dos aromas diferentes que senti, de pessoas novas que conheci, de novos ventos que por mim passaram, me sinto tão bem, me sinto como se pudesse novamente sentir essas coisas.
Quando me lembro, e falo com a garganta presa, é a saudade que está entalada nela, saudade de tudo aquilo que eu amava e ainda amo, saudade de lugares, e tempos que não mais iram regressar, como queria poder voltar no tempo e novamente viver aqueles vinte dias maravilhosos que vivi ao lado de pessoas distantes, porém muito queridas, andei por lugares maravilhosos, por pessoas com sotaques diferentes, por mundos completamente diferentes.
Como queria poder voltar à aquele lugar pelo qual me apaixonei, me lembro de cada rua, de casa pedaço de chão, de cada condução cheia que peguei, de quando odiava andar o dia todo, embora estivesse adorando conhecer coisas novas, o quanto adorava ouvir as história engraçadas de minha avó, e aprender suas artimanhas na cozinha, como me impressionava com a cor do céu durante o dia, e com a diversidade de estilos culturais naquele lugar, me lembro de como era um máximo andar pelas estações junto com toda aquela gente, que mesmo estranhas para mim, sentia como se as visse todos os dias no mesmo lugar, na mesma estação, pegando a mesma condução, me lembro como me senti quando aprendi a andar sozinha em um lugar tão grande, e de como me senti ao lembrar que quando era pequena não conseguia dar um passo sem minha mãe, e me pus a pensar como podem as coisas passarem tão rápido por debaixo de nossos narizes?
Como simplesmente, em um segundo eu perdesse o controle ao perder minha mãe de vista em uma loja, e em noutro segundo eu estava em outro estado, aprendendo a andar sozinha em uma cidade tão grande e tão perigosa, e o que mais me surpreende é como eu não senti saudades, em momento algum, perdi o controle, ou chorei pedindo para ver minha mãe, como sempre fiz quando criança, eu simplesmente, criei asas e voei, voei para um lugar desconhecido, porém lindo e único: São Paulo

Matka

Ainda que meu coração se esfrie, ainda que seu amor termine, sempre irei te amar, por mais que me insulte, me machuque com suas palavras geladas, por mais fria que a verdade que há em seu coração seja, eu sempre irei te amar, te respeitar, e nunca irei te deixar.
Ainda que teus amigos te deixem, teus amores te fizerem chorar, ainda sim eu irei ao teu lado estar, pois o amor que eu sinto por ti, jamais irá se esvair.
Ainda que fiques sem voz, ainda que não possa mais cantar um linda canção, eu irei contigo calar, quando tiveres que falar, em silêncio eu ouvirei, quando tiverdes dificuldades em tuas atividades, prontamente eu irei ajudá-la, e quando quiseres ficar sozinha, eu me afastarei, quando precisardes de companhia, lá estarei eu para ouvi-la, para aconselha-la.
Quando gritares comigo, e me disser palavras cortantes e frias, eu me calarei, e com calma questionarei o porque de tanta raiva.
Mesmo sendo completamente diferentes, somos totalmente iguais, pensamos da mesma forma, agimos da mesma forma, somos perfeitas do nosso modo, você é perfeita para  mim, de um modo completamente complicado, nunca fala quando quer falar, nunca cala quando não quer dizer nada, sempre age de forma articular, mesmo sendo muito atrapalhada, é capaz de mover grandes moinhos, mesmo com raiva quer agradar, mesmo feliz chora.
Embora não sejamos tão amigas assim, tu tens o papel principal em minha vida, tu tens prioridade em todas as coisas, e mesmo me fazendo chorar na maioria das vezes em que brigamos e nos insultamos, eu te amo mais que tudo e nunca choraria por quem não vale a pena chorar. Mesmo eu te atentando, eu te amo. 
Para ; Matka

quinta-feira, 10 de março de 2011

You f'kin perfect! To me.





Você que não se acha bom o bastante, que acha que está completamente fora dos padrões de beleza, e que simplesmente se acha um perdedor...
Querido por favor, se você se já se sentiu como um nada, saiba que você não está sozinho, todos nós temos momentos péssimos, saiba que eu já tive esses momentos, e assim como você eu sempre pensei que quem atrapalhava a vida das pessoas ao meu redor, era eu mesma, sempre me coloquei como um problema para as pessoas, sempre as achava melhor do que eu, e sempre tentava chamar a atenção delas, mudando meu cabelo, parando de comer, ou comendo mais que o normal, sempre tentava chocá-las, para que pudessem me ver no meio de tudo isso, no meio de toda essa deficiência social.
E tenho certeza que não sou a unica a sentir isso, milhões de pessoas se sentem assim as vezes, de uns tempos pra cá, eu resolvi viver minha vida, ser feliz, e aprender a conviver amigávelmente com meus defeitos, comecei a ignorar as críticas destrutivas, e a dar ouvido às construtivas ...
Mudei meu cabelo, mais desta vez, não foi nenhum pouco bizarro, pintei minhas unhas, comecei a sorrir mais, olhar nos olhos das pessoas, ouvir músicas que me deixem feliz e relaxada, confesso que ainda escuto meus rock's pesados, mais com certeza não sinto mais vontade de me matar quando os escuto. Comecei a freqüentar lugares menos obscuros, com pessoas de certa forma mais gentis, comecei a me relacionar com pessoas diferentes, cultivei minha boas e antigas amizades, passei mais tempo com a família, ajudei o meu próximo, cuidei mais do meu cachorro ...
Fiz coisas, que normalmente não faria, coisas que mesmo sendo normais para alguns, eram completamente diferentes para mim, e mesmo sendo tão diferentes me deixavam relaxada, mais feliz e satisfeita comigo mesma, ajudar à quem precisa então... me deixava com uma espécie de amor próprio, pois percebia que quanto mais ajudava outras pessoas, mais eu ME ajudava, mais eu ME amava, e gostava de mim.
Seja você assim também, se ame mais, coopere para que o SEU dia seja mais feliz, e que o dia de outras pessoas que não tem muito, seja no mínimo bom (:
Se ame! só assim outras pessoas iram te amar também ;)  #FIKDICA


Beijs;* da Joy;

Foto da semana (:

OOOI povo da terra (: 
toda as semanas, eu vou postar aqui, uma foto ou vídeo que eu gostei (:
Espero que gostem ;D


Eu achei essa foto mais interessante pela iluminação, mais ainda sim acho que não deveria existir aquela luz no fundo '-' [o cara da foto é o vocalista da banda de rock "Deftones", o nome dele é Chino Moreno] 


Espero que tenham gostado da foto da semana, mandem suas fotos.
Quem sabe um dia elas podem ser a capa do blog!? 
Beijs ;* da Joy

quarta-feira, 9 de março de 2011

Voltei (:









Bom, depois de todos os erros que cometi, eu percebo o quanto nós somos idiotas, nós seres humanos.
Percebi que temos a capacidade de errar mil vezes, e pior, não aprender com esses erros, não se arepender deles...
Eu juro que se eu pudesse voltar no tempo, eu o faria, pois aprendi que sempre temos que pensar nas consequências de nossos atos errantes.
Por um ladonão me arrependo de meus erros, pois deles eu tiro lições, aprendo que mesmo sendo um ser errante, não me custa nada esforçar-se para errar 
o mínimo possível. Hoje, a pesar dos pezares, quero e ainda posso mudar, ser uma pessoa melhor, quem sabe ser o que todos me pedem para ser, ou simplesmente
agir como a JOYCE ANDRADE de sempre, ainda há tempo para recolher mes restos do chão, e ser uma pessoa no mínimo melhor.
Quero fazer mudança, ser notada, quero receber amor, e quero também aprender à retribuir esse amor, quer aprender a sorrir mais, a ter um brilho nos
olhos que não tenho à tempos, quero novos amigos, quero cuidar dos que já tenho, quero provar para minha família que posso ser uma boa compania, quero
quero que parem de me criticar, e de tentar me udar o tempo todo, é como se sentisse que preciso fazer uma 'troca de pele', como se precisa-se nascer de novo.
Quero voltar a escrever, mais quero escrever textos felizes, textos que motivem os leitores, que me motive também, quero estudar mais, posso até querer amar outra vez.
Preciso tirar planos do papel, sonhos da cabeça e torná-los ações, e não imaginações!
Preciso voltar a crer que também tenho voz nesse mundo, e que existe um espaço para mim, quero voltar a viver, não mais chorar, não mais me lamentar por 
coisas que não merecem minha lágrima, quero ser conhecida como "a garota sorriso" ou até "a espanta tristeza" quem sabe ...
Quero deixar por onde passar, amor, alegria, simpatia e saudades (:
Quem sabe todos os meus desejos se tornem realidade e todos os meus planos saiam do papel.
E desejo mesmo a você, que está lendo este texto, quero que saiba que embora não sorria muito, sou a pessoa mais feliz do mundo, pois sei que Jesus me ama, e com certeza, ele também deve te amar.
Beijs ;* 
Da Joy (:

sábado, 5 de março de 2011

NUNCA! se deixe influenciar ! (yn)  

Humor ; Péssima,

OF.

OF. não vou escrever por uns tempos .. :/

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Mudanças.

Todo começo me assusta, tudo o que é diferente, tudo o que enfrenta minhas perspectivas.
As vezes o que parece bom, não chega nem perto disso.Assim como o meu corpo se adapta ao clima oscilante, minha mente tenta se adaptar à mudanças de humor, mudanças de rotina, de hábitos.mudanças.
Minha mudança é como uma maçã em decomposição: passa anos e anos e nunca acaba.
Meu corpo muda, meu organismo, minha mente, minha vida. e vejo de fora toda essa mudança, e me surpreendo com minha própria capacidade de mudar, mudar todos os dias.
Vivo em uma espécie de metamorfose, SOU uma metamorfose ambulante.
A cada passo que dou, me deparo com uma situação mais absurda que a outra, olhares insinuante, coisas que tenho medo. Coisas novas.


Joyce Andrade Monteiro

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Não consigo respirar .

Toda a nossa vida, nós andamos por um caminho que na verdade, não sabemos aonde iremos chegar, não sabemos qual é o propósito.
Uma faculdade, um bom emprego, uma vida estável? é por isso que lutamos durante toda a nossa vida? ou é por uma coisa que nem nós sabemos?
Dizemos que não temos medos, que não temos medo do futuro, medo de pequenas coisas, porém, o que mais predomina nossa mente, é o medo. Medo de não ser bom o bastante, de fazer errado, medo de morrer, de viver, medo de nós mesmos, e medo de nossa loucura interior.
Cada cabeça, é um mundo, cada mundo, tem uma personalidade, por trás de uma personalidade há uma pessoa, e por trás de uma pessoa há uma loucura, uma sina, uma perseguição, minha loucura interior, me consome completamente, me deixa fraca mais é o que me alimenta ao mesmo tempo.
À todo momento, tento descobrir pelo que eu estou lutando, para onde devo ir, mais minhas tentativas são inúteis, vivo em uma guerra fria, fui feita para crer que há algo de errado comigo, a idéia de não me conhecer me destrói.
De não saber quem eu sou, de nunca ser boa o bastante, de sempre tentar mudar pra fazer outras pessoas felizes, o fato de não ser boa o bastante pra mim, me perturba, me desaba, me tira o chão.
Quanto mais eu me conheço, mais eu me decepciono, por perceber que decepciono as pessoas, que não faço a diferença no meio de tanta gente, por saber que simplesmente nunca vou fazer.
Não ser feliz com o que você é, é uma desgraça na vida de uma pessoa, não poder ser feliz por simplesmente não ser como alguém quer...
Ou o fato de ser desprezada por alguém, ou por nunca ter ouvido um 'eu te amo'. isso destrói a vida de uma pessoa, destruiu a minha, e não sei como concertar.
Agora só posso lamentar, e quem sabe um dia, tentar ser a pessoa que você quer que eu seja, quem sabe assim, eu levo alguma felicidade para alguém . 

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

'Nós'

Essa noite eu só quero estar ao teu lado, só quero sentir novamente o teu toque suave, só quero olhar novamente em teus olhos e beijar teus lábios macios.
Hoje eu só queria poder me aninhar no calor dos teus braços, as vezes no meio da noite, eu acordo e me recordo de tudo o que vivemos, de tudo o que passamos, e lamento por isso não existir mais.
Foi um erro, foi tudo um erro, eu tentei impedi-la, mais minhas tentativas foram em vão, hoje só resta culpa, dor e saudade em meu peito, sentimentos que rasgam minha alma, e que me consumem.
Coisas que sinto mais que não posso descrever, culpa: algo que me acompanha dia e noite, e que por mais que eu supere, nunca irá me deixar. Só me sinto bem, quando durmo, meus sonhos são o que há de mais satisfatório em meus dias, é onde eu posso ver seu rosto, onde eu posso alcançá-lo e é como se fosse tão real, sinto como se estivesse aqui comigo, queria poder tocar tua pele macia novamente, queria poder ao menos te ver, saber se está bem, ou simplesmente que você estivesse viva, pois no meio peito você nunca morrerá, sempre te levarei comigo por todos os caminhos que eu trilhar, sempre estarás comigo, pois sei que teu amor por mim é mais forte do que a própria morte, e ainda posso senti-lo, como se fosse matéria. 
Agora sei muito bem quem sou, vejo a pessoa que eu sou agora? ninguém sem você por perto...
Pra me acalmar, pra me abraçar e me dar colo, pra rir das minhas piadas sem graça ou até mesmo pra brigar comigo as vezes, e não nego, que é disso que eu tenho saudades, saudades dos nossos dias, dos dias em que eu podia te ver, dos dias em que mesmo que escondido, eu ia ao seu encontro,  saudade de quando 'nós' ainda éramos presente.
'Nós' sempre irá existir, para toda a eternidade, meu amor por você nunca morrerá e nem se perderá no mar desilusão. te amo, me desculpe!


(texto inspirado na música da banda cine, cores)

#MASPOXAVIDA

AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA !
Sim! eu sou LOUCA pelo PC Siqueira e seus vídeos. Tô fazendo post #MEGA atrasado, mais tá valendo, ontem foi o aniversário do #MASPOXAVIDA .
Eu sou SUPERVICIADA no MASPOXAVIDA, e não poderia me esquecer de deixar um MEGA FELIZANIVERSÀRIO pra esse Vblog pelo qual eu simplesmente me apaixonei, e não consigo não assistir!
Tudo de bom pra você Siqueira, e que seu Vblog cresça pra que todos possam ver o quão tosco e talentoso você é!


e pra quem não conhece o maspoxavida, por favoor, corra e veja os vídeos, você não vai se arrepender!
Beijs povoo, da Joy.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

ficar sem idéia; acontece!

Só tenho uma coisa a dizer; A unica pessoa que pode bater a porta do meu quarto sou eu!, nunca tente fazer isso. só se você quer ver a porta do inferno se abrir ! #fikdica.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Só sei que não é amor .

Estou tentando descobrir o que eu sinto quando estou com você, não é amor, se fosse até conseguiria explicar, mais só sei dizer que me sinto bem quando estou ao seu lado, você me faz mais segura, me faz mais feliz, meu sorriso parece mais feliz quando estou contigo, mais ao mesmo tempo que você me faz bem, você me mata aos poucos, ou melhor, o que eu sinto por você está me matando aos poucos!
Meu coração está no limite, minha cabeça está à mil, passo dia e noite me questionando, tentando descobrir o porque de algo que nem eu sei o que é.
Mais agora, estou aqui sem você do meu lado, sem você pra me dizer que mesmo com meus mil defeitos, me ama e sempre me amará.
Você me deixa confusa, sem saber direito por onde ir, sem saber o que fazer, o que sentir, isso me faz te odiar, mais o que você tem me deixa de mãos atadas, de cabeça confusa e sem reação, tira meu chão e faz com que eu aja sem pensar...
Agora estou novamente sem saber o que fazer, o que pensar, a lembrança de nós dois juntos me mata aos poucos, todos os dias, todos os minutos morre um pouco de mim, por sua causa.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

sim, eu ainda falo sobre amor ...

É estranho como tudo começou, como se não fosse nada, como se não houvessem conseqüências.
Uma hora, eu te queria, na outra já não sabia como pude chegar a tal ponto, em um momento, você não sentia nada, no outro já era impossível para você viver sem mim por perto. E o mais estranho é que antes de tudo isso, o resto era tão fácil, não haviam complicações, não haviam sentimentos perigosos, nem xingamentos, e nem enganos e feridas. É impressionante como as coisas complicam-se de uma hora pra outra, e é mais impressionante ainda como nós nos complicamos com nós mesmos, e acabamos sem saber como agir, o que fazer, começar da estaca zero? ou simplesmente, esquecer tudo o que houve e voltar a ser como antes?...
São muitas perguntas à se fazer, são muitos pensamentos, sentimentos e feridas para rever, e cuidar, infelizmente, nem sempre sabemos cuidar bem da ferida, ou as vezes não à tratamos como uma ferida, preferimos sofrer a dor calados, e continuar nos enganando.
Uma ferida interna dói muito mais do que um externa, me vejo confusa ao me lembrar de como tudo começou, e ao me deparar com tal fim, me vejo mais confusa ainda.
Aí eu percebo que tudo não passou de um engano, que virou ódio, e depois paixão, e depois mágoa, e tudo não passou de um engano, um equívoco. Desde o começo, me enganei, pensei que pudesse realmente haver algo.
E depois de tudo isso, eu percebi que o amor é como um pacote, um pacote cheio de surpresas, coisas que você sabe que acontecem, mais que você teima em abrir os olhos, sabemos que podemos sofrer, que podemos nos enganar, e que podemos fazer alguém sofrer, e podemos sim, nos sentir culpados por isso. Mais nem sempre há remédio para essas coisas, coisas que vêem no pacote do amor, lágrimas, feridas, marcas que nós mesmos temos que cuidar, até que fiquem saradas por completo.
Aprendi que mesmo que caia uma lágrima dos meus olhos hoje, amanhã é certeza de desabrochar um lindo sorriso em meu rosto.